Vale do Ivinhema Agora
Política Região

Ciro Gomes propõe a Simone Tebet pré-candidatura a vice, mas ela recusa

Senadora de MS, inflexível, diz concorrer às eleições de 2022 somente como candidata à Presidência

Por: Correio do Estado

Senadora Simone Tebet, do MDB sul-mato-grossense, não deu muito bola à fala do presidenciável Ciro Gomes (PDT), que acenou a ela, ontem, ao dizer que queria tê-la como vice por ela ser “diferente”.

A assessoria da senadora disse ter achado “bonito” e “elegante” o gesto do pré-candidato pedetista em elogiá-la, mas que a senadora mantém firme o propósito de disputar as eleições somente na condição de candidata maioral, isto é, concorrer à Presidência, apenas.

“Eu tenho uma pessoa dessas aí [da terceira via] que eu respeito muito. Ela é diferente. Ela não é uma viúva do bolsonarismo igual a [João] Doria [ex-governador de São Paulo]. Ela é uma pessoa que acho que vai ter um papel importante, que é a Simone Tebet”, afirmou Ciro Gomes, ontem de manhã, em entrevista à Rádio Bandeirantes, ao ser questionado sobre qual pré-candidato de terceira via ele aceitaria ter em sua chapa.

Terceira via é como chama a alternativa indicada pelas legendas MDB, PSDB, União Brasil e Cidadania para enfrentar os líderes nas pesquisas até aqui divulgadas, que apontam o ex-presidente Lula e o presidente Jair Bolsonaro (PL) como prováveis vencedores.

De lado a dupla, o restante dos candidatos não alcança sequer dois dígitos nos levantamentos. O mais próprio de Lula e Bolsonaro é Circo, com sete pontos porcentuais.

No entanto, a 3ª via abalou-se com a saída do União Brasil, que anunciou que vai lançar uma candidatura solo.

Ainda em entrevista à Bandeirantes, segundo material publicado no Estadão, “Simone Tebet está sendo traída pelo próprio partido, porque Lula está corrompendo. Já está acertado com Eunício Oliveira e Renan Calheiros, os mesmos do esquema do escândalo do Petrolão”.

O dito por Ciro tem a ver com as articulações do senador Renan Calheiros (AL) e do ex-senador Eunício Oliveira, do MDB, acerca da pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Parte dos emedebistas ainda não aceitou de vez a pré-candidatura de Simone e andam dizendo que preferem apoiar Lula já no primeiro turno.

Na quarta-feira, a terceira via, já sem o União Brasil, informou que vai manter a intenção de impulsionar a candidatura e que o nome sairá de um consenso a ser definido a partir da análise conjunta de pesquisas quantitativas e qualitativas encomendadas pelas legendas.

Até agora, o embate pela preferência envolve somente os nomes de Simone (MDB) e João Doria (PSDB). Na mais recente pesquisa, divulgada nesta semana, Simone aparece com 2,3 pontos porcentuais ante os 3,1% obtidos por Doria.

Na entrevista à emissora de rádio, Ciro reafirmou que mantém-se pré-candidato, embora uma corrente contrária: “O sistema me quer ver expelido. Ele não quer nem que eu tenha direito de falar. Exigem todo dia que eu tire a minha candidatura”.

NÃO É NÃO

O Correio do Estado conversou com a assessoria de imprensa de Simone para saber o que a senadora achava da sugestão apontada por Ciro Gomes, que deixou a entender que quer vê-la como vice.

A assessoria achou “bonito” e agradeceu os “elogios” de Ciro, mais reafirmou a intenção da senadora, que só concorda em disputar as eleições como candidata à Presidência.

A senadora passou uma espécie de procuração à presidência nacional do MDB, afirmando sua disposição em concorrer em outubro, mas com a imperiosa condição de disputar apenas como a candidata principal.

Caso não concorrer à Presidência, ela prefere fazer campanha na rua, distribuir panfleto, como uma “cabo eleitoral do MDB”.

Simone e Doria travam queda de braço desde o início do ano. O ex-governador de São Paulo enfrentou prévias com o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite. Venceu, mas não convenceu grande parte dos tucanos.

Em discurso, Doria, duas semanas atrás, admitiu ser o vice de Simone. Já a senadora sul-mato-grossense não arreda o pé da disposição de disputar, mas desde que seja como candidata à Presidência.

SAIBA

O mandato de Simone expira no fim de janeiro. Se nada acontecer na corrida pela sucessão presidencial, ela fica sem mandato por, no mínimo, quatro anos.

Related posts

Defesa Civil emite alerta para as baixas temperaturas que podem durar até 5 dias

Anaurelino Ramos

Patrulha Rural recupera maquinário agrícola após tentativa de furto em Jateí

Anaurelino Ramos

Corpo de Bombeiros atende acidente  entre VW Saveiro X Carreta na BR-376

Anaurelino Ramos

Deixe um Comentário