Vale do Ivinhema Agora
Polícia Região Saúde

Médico anestesista é preso após se negar a fazer parto de emergência

Contrato pela Prefeitura Municipal de Naviraí, o profissional exigia o aumento de R$ 1 mil por dia trabalhado para atender

Um médico anestesista, de 33 anos, foi preso após se negar a atender um parto de emergência no Hospital Municipal de Naviraí – aproximadamente 366 quilômetros de Campo Grande. A paciente estava com pré-eclâmpsia e precisou ser anestesiada por um clínico geral para conseguir ser operada.

Conforme apurado pelo Campo Grande News, o médico é contratado pela Prefeitura Municipal de Naviraí e há alguns dias exigia o aumento de R$ 1 mil por dia trabalhado para o município – de R$ 800 para R$ 1,8 mil. O caso corre em segredo, por isso o nome dele não foi divulgado.

Em resposta, a Secretária Municipal de Saúde afirmou que não era possível o reajuste e por isso ele passou a recusar os atendimentos. Na segunda-feira, dia 14 de outubro, o médico se negou a atender dois pacientes que deram entrada em regime de emergência no hospital. Diante da situação, os pacientes precisaram ser transferidos para Dourados. Nesta quarta-feira (16) o caso voltou a acontecer, desta vez com uma grávida com pré-eclâmpsia – que é quando a pressão sobe subitamente, a ponto de provocar edema cerebral, convulsão.

A mulher deu entrada na unidade em estado grave, precisando ser operada imediatamente para que ela e a filha sobrevivessem. O médico então foi acionado, mas afirmou que só atenderia se recebesse R$ 1,8 para ir até o Hospital Municipal. A gerência de saúde chegou a tentar transferência da paciente para Dourados, mas não havia vaga no município vizinho.

Por conta da gravidade do caso, um clínico geral da unidade assumiu o risco e fez a anestesia do parto. A Gerência Municipal de Saúde avisou o Ministério Público que acionou a Polícia Civil.

Segundo o delegado Eduardo Lucena, da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Naviraí, com a denúncia as equipes foram até o médico, que estava trabalhando em um hospital particular da cidade, e o prenderam em flagrante pelo crime de concussão (exigir vantagem indevida). O anestesista acabou liberado horas depois diante pagamento de fiança arbitrada pelo juiz da cidade.

Agora o caso segue em investigação. “Se não operasse a mãe e a criança morreriam”, reforçou Lucena. Para a reportagem, o delegado detalhou que as outras duas recusas de atendimento também serão verificadas pela polícia. A reportagem entrou em contato com a Gerência Municipal de Saúde e aguarda resposta.

Related posts

Governo inicia tratativas para evitar que nova variante da Covid chegue em MS

Anaurelino Ramos

Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Anaurelino Ramos

Pescadores de MS podem emitir carteirinha pelo MS Digital

Anaurelino Ramos

1 comentário

Francisco 18 de outubro de 2019 , 19:17 at 19:17

Gostei muito do seu post, vou acompanhar o blog.

Responder

Deixe um Comentário